segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Unidade_IV_ativ_l_Pensando_sobre_possíveis_mudanças_e_contribuições_das_tecnologias-divina
PENSANDO SOBRE POSSÍVEIS MUDANÇAS E POSSIBILIDADES DAS TCIs.
As tecnologias nos ajudam a encontrar o que está consolidado e a organizar o que está confuso, caótico, disperso. Por isso é tão importante dominar ferramentas de busca da informação e saber interpretar o que se escolhe, adaptá-lo ao contexto pessoal e regional e situar cada informação dentro do universo de referências pessoais.
Pela educação de qualidade avançamos mais rapidamente na informação para o conhecimento e pela aprendizagem continuada e profunda chegamos à sabedoria.
O foco da aprendizagem é a busca da informação significativa, da pesquisa, o desenvolvimento de projetos e não predominantemente a transmissão de conteúdos específicos. As aulas se estruturam em projetos e em conteúdos. A Internet está se tornando uma mídia fundamental para a pesquisa. Nunca como até agora professores, alunos e todos os cidadãos possuíram a riqueza, variedade e acessibilidade de milhões de páginas WEB de qualquer lugar, a qualquer momento e, em geral, de forma gratuita.
O educador continua sendo importante, não como informador nem como papagaio repetidor de informações prontas, mas como mediador e organizador de processos. O professor é um pesquisador – junto com os alunos – e articulador de aprendizagens ativas, um conselheiro de pessoas diferentes, um avaliador dos resultados. O papel dele é mais nobre, menos repetitivo e mais criativo do que na escola convencional. “ O professor é a tecnologia das tecnologias.” Diz Pedro Demo. A Webquest propicia a socialização da informação: por estar disponível na Internet, pode ser utilizada, compartilhada e até reelaborada por alunos e professores de diferentes partes do mundo. O problema da pesquisa não está na Internet, mas na maior importância que a escola dá ao conteúdo programático do que à pesquisa como eixo fundamental da aprendizagem.
A escola, com as redes eletrônicas, abre-se para o mundo; o aluno e o professor se expõem, divulgam seus projetos e pesquisas, são avaliados por terceiros, positiva e negativamente. A escola contribui para divulgar as melhores práticas, ajudando outras escolas a encontrar seus caminhos. A divulgação hoje faz com que o conhecimento compartilhado acelere as mudanças necessárias e agilize as trocas entre alunos, professores, instituições. A escola sai do casulo, do seu mundinho e se torna uma instituição onde a comunidade pode aprender contínua e flexivelmente.
Quando focamos mais a aprendizagem dos alunos do que o ensino, a publicação da produção deles se torna fundamental. Os blogs, fotologs e videologs são recursos muito interativos de publicação, com possibilidade de fácil atualização e de participação de terceiros. Professores e alunos podem gravar vídeos curtos, com câmeras digitais, e disponibilizá-los como ilustração de um evento ou pesquisa.
São muitas as possibilidades de utilização dos blogs na escola. Primeiro pela facilidade de publicação, que não exige nenhum tipo de conhecimento tecnológico dos usuários, e segundo, pelo grande atrativo que estas páginas exercem sobre os jovens.
As tecnologias são pontes que abrem a sala de aula para o mundo, que representam, mediam o nosso conhecimento do mundo, possibilitam uma melhor apreensão da realidade e o desenvolvimento de todas as potencialidades do educando, dos diferentes tipos de inteligência, habilidades e atitudes. A escola precisa exercitar as novas linguagens que sensibilizam e motivam os alunos, e também combinar pesquisas escritas com trabalhos de dramatização, de entrevista gravada, propondo formatos atuais como um programa de rádio, uma reportagem para um jornal, um vídeo, onde for possível. A motivação dos alunos aumenta significativamente quando realizam pesquisas, onde se possam expressar em formato e códigos mais próximos da sua sensibilidade. Mesmo uma pesquisa escrita, se o aluno puder utilizar o computador, adquire uma nova dimensão e, fundamentalmente, não muda da proposta inicial.
“Nós temos que restaurar a escola para ela se situar nas habilidades do século XXI que não aparecem na escola, mas em casa, no computador, na Internet, na Lan House. O professor, como a tecnologia das tecnologias, precisa fazer uma grande mudança porque todas a mudanças entram na escola por ele – que é a figura fundamental.” Diz Pedro Demo. Alunos, professores, escola e comunidade se beneficiam.
REFERÊNCIAS: Wikipédia, Tecnologias da Educação: ens. e aprendendo com as TCIs.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Unidade 3 Ativ 2 Reflexão para blog

2.2 Reflexão
1. Nome da atividade: Plano de aula com recursos tecnológicos
2. Conteúdo: O ciclo da água
3. Como ocorreu a aplicação dessa atvidade com os alunos?
Transcorreu em um clima de entusiasmo e participação dos alunos, pois o assunto é interessante, falando sobre um fenômeno natural: a água.
4. Como foi a receptividade?
Foi excelente, com a participação efetiva de todos os alunos.
5. Como aconteceu a aprendizagem dos alunos?
No final das duas aulas, com a abordagem do assunto em ambiente externo à aula e com a apresentação dos vídeos, os alunos aprenderam muito sobre o tema, trazendo inclusive relatos de conversas e experiências que tiveram com os colegas e familiares.
6. O que você aprendeu com essa atividade?
Quando usamos recursos tecnológicos, nossas aulas ficam mais interessantes, os alunos aprendem mais facilmente e com entusiasmo. As aulas aconteceram em um clima alegre e todos participaram das atividades propostas.

Unidade 3 Ativ 2 Reflexão para blog

2. Evidências
video

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Unidade 2 Atividade 1 Hipertexto - Coisas importantes e significativas

Atualmente, a palavra hipertexto tem sido em geral aceita para textos ramificados e reponsivos, mas muito menos usada é a palavra correspondente "hiepermídia", que significa ramificações complexas e gráficos, filmes e sons responsivos - assim como texto. Em lugar dela usa-se o estranho termo "multimídia interativa", quatro sílabas mais longas, e que não expressa a idéia de hipertexo estendido.
Hipertexo é o termo que remete a um texto em formato digital, ao qual agrega-se outros conjuntos de informação na forma de blocos de textos, palavras, imagens ou sons, cujo acesso se dá através de referências específicas donominadas hiperlinks, ou simplesmente links. Esses links ocorrem na forma de termos destacados no corpo de texto principal, ícones gráficos ou imagens e têm a função de interconectar dos diversos conjuntos de informação, oferecendo acesso sob demanda as informações que estendem ou complementam o texo principal.
Principais características do Hipertexto:
1- Intertextualidade;
2- Velocidade;
3 - Precisão
4 - Dinamismo;
5 - Interatividade;
6 - Acessisbilidade;
7 0 Estrutura em rede;
8 - Transitoriedade;
9 - Oorganização multilinear.
Hipertexto e internet
Uma das maiores controvérsias a respeito deste conceito é sobre sua vinculação obrigatória ou não com a internet e outros meios digitais. Alguns autores defendem que o hipertexto acontece nos ambientes digitais., pois estes permitem acesso imediato a qualquer informação. Outros pesquisadores acreditam que a representação hiertextual da informação independe do meio. Pode acontecer no papel, por exemplo, desde que as possisbilidades de leitura superem o modelo tradicional cosntido das narrativas contínuas ( com início, meio e fim). Uma enciclopédia é um clássico exemplo de hipertexto baseado no papel, pois permite acesso não-linear aos verbetes contidos em diferentes volumes. Um exemplo de hipertexdto tradicional são as anotações de Leonardo Da Vinci e também a Bíblia, devido sua forma não linear de leitura.
Hipertexto e educação.
Um tópico relevante é a utilização da ferramenta de hipertexto na Educação. O trabalho com hipertexto pode impulsionar o aluno à pesquisa e à produção textual. O hipertexto como ferramenta de ensino e aprendizagem facilita um ambiente no qual a aprendizagem acontece de forma incidental e por descoberta, pois ao tentar localizar uma informação, os usuários de hipertexo, participam ativamente de um processo de busca e construção do conhecimento, forma de aprendizagem considerada como mais duradoura e transferível do que aquela direta e explícita. Na sala de aula, onde se trabalha com hipertexto, os alunos, num sistema de colaboração, acabam aprendendo e através de diversas fontes. O próprio conceito de hipertexto, pode nos levar a essa intenção. Uma atividade colaborativa traz benefícios extraordinários no que diz respeito a construção individual e coletiva do conhecimento. Os professores também podem trabalhar com hipertexto para funções pedagógicas. Utilizar textos de várias turmas e redistribuí-los é um bom exemplo. O hipertexto também traz como vantagem para a educação a construção de conhecimento compartilhado, um importante recurso para organizar material de diferentes disciplinas. Trabalhar com hipertexto leva o aluno a produção de textos e traz como vantagens a construão de conhecimento de forma dinâmica einserindo o aluno e o processo educativo no mundo digital. Em produção o aluno e o processo educativo no mundo digital. Em sua produção a aluno se refere a conhecimentos antes aprendidos, mantendo uma relação sempre linear com o texto.
Referências:
Wikipédia;
TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: ensinando e aprendendo com as TICs.